Projetos

sábado, 24 de maio de 2014

Dia da Infantaria do Exército





Registro minha homenagem a todos os combatentes da Infantaria 
que já lutaram pela pátria brasileira!
Aproveito para compartilhar uma poesia escrita pelo meu pai, 
Coronel Infante Pedro Américo Leal, 
que simboliza num velho coturno gasto, o viver de cada soldado.


“Velho Borzega”

Meu borzega esfolado,
dos tempos da mocidade,
de sola gasta em paradas,
nas alvoradas sem fim.

Biqueira empinada, bonita,
como cavalo de chefe,
talão comido de um lado,
de tanto se apresentar.

Quando te vejo acabado,
envelhecido de usar,
não sei porque me entristeço,
e quase me ponho a chorar.

O salto que era tão forte,
a cor preta traquejada,
não tem mais aquele garbo
do praça rijo que fui.

Te recordo meu borzega!
Como se fosse meu corpo,
batendo no chão com cadência
pros outra entusiasmar.

Velho borzega estropiado
de tanto serviço e instrução,
refletes o viver do soldado
com toda recordação.

Hoje ao te ver empoeirado,
no canto do meu porão,
não posso impedir, baixo os olhos
e me ponho a recordar.

Quando te recebi na reserva,
duro como instrutor,
eras como a nossa mocidade,
que parece não se acabar.

E agora velho borzega?
Que volto a te contemplar,
percebo, não és bem de couro
como era o meu pensar.

É que de repente me vejo
em ti, que agora não brilhas
com muito mais nitidez,
do que nos tempos de outrora.

Então entendo, borzega velho,
desmontado pelo usar
porque durante esses anos
eu evitava de te olhar.

É que me recordando o passado
dos tempos de militar,
representas um espelho,

onde envelheço ao meu olhar.

Pedro Américo Leal









Nenhum comentário:

Postar um comentário