Projetos

sábado, 31 de outubro de 2009

Os livros e a leitura


A Feira do Livro de Porto Alegre está acontecendo e nesses 17 dias de evento são disponibilizados livros na Praça a céu aberto. Além de estimular a economia, o foco é despertar a população e visitantes da capital dos gaúchos para o contato com escritores, com a leitura, com ações educativas, e, principalmente, chamar a atenção para esse instrumento de formação e transmissão de conhecimento tão antigo, e tão necessário a todos nós, que é o livro.

Eu penso que o livro deveria ser um instrumento mais acessível, deveria estar nas mãos dos cidadãos comuns, deveria ser um direito de cada cidadão, pois seu poder de despertar a criatividade e o imaginário é imenso. As Feiras do Livro tentam democratizar mais o livro.

Eu acredito que para conquistarmos uma sociedade com mais qualidade de vida, é preciso que sejam alcançadas ferramentas para seu desenvolvimento social e cultural, e entre elas, estão os livros e a leitura.

Mesmo com as novas tecnologias e tantas promessas de fazer o livro entrar para o mundo eletrônico, para mim nada substitui o cheirinho do papel e a relação que cada pessoa estabelece com seu exemplar, o lugar onde gosta de ler e guardar seus livros. Livro é algo tão especial e íntimo que muitos sequer gostam de emprestar. E o mais valioso é que por trás de cada obra física há uma cabeça humana, uma mão humana, um escritor, um poeta.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Aniversário de 75 anos da Rádio Bandeirantes




Tudo começou na semana passada com um e-mail/convite para o almoço dos 75 anos da Rádio Bandeirantes, enviado por meu amigo Renato Martins, diretor deste veículo. Respondi dizendo que estaria presente. Renato, daquele seu jeito, não convida seus amigos, convoca. Estando de segunda para terça em Passo Fundo, vi que entrou outro e-mail dele perguntando a hora que eu chegaria na comemoração, e eu respondi que ao meio dia de quinta nos encontraríamos lá. E recebi como resposta o seguinte: “Não me enlouquece Mônica, pois o aniversário da rádio é terça-feira e quero que tu chegues para o almoço e fique até às 15h para participar dos programas de rádio que serão ao vivo do Chalé da Praça XV!”. Com isso não restou outra alternativa a não ser justificar essa falha por conta da minha agenda de viagem e que, por estar longe, não estava acompanhando de perto os compromissos a cumprir nos próximos dias, deixando isso para a chegada em Porto Alegre.

Mas fui para estrada a tempo de chegar para este almoço. E foi a melhor coisa que podia ter feito, pois lá encontrei com colegas da comunicação que são amigos muito especiais, colaboradores de uma emissora onde me sinto completamente em casa. Hoje, junto a outros jornalistas e autoridades, cantei parabéns e reforcei mais uma vez o sentimento que tenho pela Bandeirantes: a confiança a uma rádio que conta com profissionais apaixonados pelo ofício de comunicar e que se entregam ao trabalho de corpo e alma, para levar informação com credibilidade aos lares gaúchos.

Do produtor, que é o Roque, que eu particularmente adoro, aos diretores, jornalistas e técnicos, todos estavam lá confraternizando no Chalé da Praça XV, demonstrando ali o que eles são também no dia-a-dia da rádio, uma grande família, que sabe que faz parte da vida de outras milhares de pessoas. O entusiasmo desses profissionais pelo rádio, a sua capacidade de querer fazer sempre mais pelo RS e a constante atitude de parceria, eu considero as marcas registradas da Band AM.

Parabéns Rádio Bandeirantes, pelos 75 anos de história e serviços e pela equipe que hoje faz acontecer.

JORNADA NACIONAL DE LITERATURA


Este ano a música tema da 13ª Jornada Nacional de Literatura tem como refrão a frase “cai na real a nossa vida é virtual”, afinada com o tema “Arte e Tecnologia: Novas Interfaces, e com o símbolo desta edição – o robô-livro. O objetivo inicial da Jornada é formar leitores e a Jornada prova que isso continua firme e forte mesmo com as novas tecnologias e suas ferramentas de acesso e comunicação. Ontem, fiquei encantada com a beleza da abertura do evento, que reuniu mais de 5 mil pessoas numa grande e colorida lona de circo. Foi um megaevento cultural e confesso que o que mais me impressionou foi a participação interativa e vibrante do público e a forma como ele interagia com as atrações. Outra coisa que me chamou a atenção foi a organização do evento, que conseguiu manter o público atento e entusiasmado por três horas. Um cerimonial que intercalava apresentações artísticas, pronunciamentos, premiações e homenagens emocionantes, fez da abertura da 13ª Jornada um momento único e especial.
A quantidade de jovens escritores que apresentam suas obras, sem dúvida faz do evento um espaço que oportuniza a revelação de novos talentos. Saí de lá convencida que o livro, a leitura e a literatura cumprem um insubstituível papel civilizador para a sociedade de hoje, distribuindo alma, inteligência, conhecimento, poesia e imaginação.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Ajuris Canta o Rio Grande - volume 1

Hoje, madruguei na secretaria! Viajo daqui a pouco para Passo Fundo e volto amanhã pela manhã para POA. É que eu tenho algumas coisas importantes para deixar encaminhadas antes de pegar a estrada, e como sou adepta do ditado: ”Deus ajuda quem cedo madruga”, então, cá estou eu, mergulhada no silêncio de um andar inteiro do CAFF, que a essa hora ainda está completamente vazio.

Antes de ir, eu quero comentar esse CD que recebi do Presidente da Ajuris, Marchionatti, “ Ajuris Canta o Rio Grande ” São vozes de magistrados afinados por um sentimento de amor pelo nosso Rio Grande do Sul. Com um talento musical impressionante, esse grupo de amigos cantores que tem em comum a responsabilidade de zelar pela justiça, interpretam canções que falam sobre as lidas do campo, amores e desamores. O Borguetinho que é maravilhoso, é o gaiteiro nesse CD. Adorei escutá-los, obrigada pela lembrança que confesso, vou seguir escutando.

sábado, 24 de outubro de 2009

Pinceladas do meu dia a dia como secretária



Sempre tenho hora para entrar e nunca para sair da Secretaria de Estado da Cultura. Apesar de ter uma agenda programada, ela nunca acontece conforme o planejado. Além de cheia, é imprevisível. Assim, tenho um trabalho intenso no meu gabinete, e, à noite, tenho os eventos culturais. Muitos acontecem nos fins-de-semana, e, normalmente, nos feriados, e só me lembro de um feriado que não seja acompanhado de comemoração cultural que é o de finados, portanto, aguardo o ansiosamente para poder tirar esses dias para recarregar as minhas energias que, trabalhando de segunda a segunda, em três turnos, começam agora a falhar. Chegam a acontecer três eventos por noite, muitos de representação do governo, e, quando são jantares, acabo não comendo porque acho indelicado comer e sair correndo. Como chego tarde em casa e vou dormir em seguida, não gosto de fazer uma refeição pesada, então, a solução é tomar uma sopa, que, por sinal, gosto muito - mas por aí já se foram muitos quilos numa dieta imposta pelo ritmo intenso de trabalho.
Também é grande o número de convites que recebo para participar dos eventos no interior. O que me toca profundamente é que são acompanhados de telefonemas dos prefeitos pedindo a minha presença. E, como eu fico querendo sempre atendê-los, tenho passado boa parte do mês na estrada. Dei uma trégua nos últimos dias em função de um acidente com o carro da secretaria. Só que decidi retomar as viagens, e, na segunda-feira, estou indo para Passo Fundo abrir a 13ª Jornada Literária.
Para que tudo isso dê certo existe um segredo: toda sexta-feira fecho a agenda da próxima semana com a Rose, minha secretária, sendo que muitas vezes o que organizamos pode cair se a governadora chamar...

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

VISITA ILUSTRE


Num dia de agenda dedicada a prefeitos e suas comitivas de rainhas e princesas, que vieram me entregar convites para eventos em seus municípios, entre uma audiência e outra, ao abrir a porta da minha sala uma grata surpresa: pacientemente sentado na ante-sala do gabinete aguardava o presidente da Ajuris, Desembargador Carlos Marchionatti. Ele veio especialmente para entregar-me, em mãos, o primeiro volume do CD “Ajuris Canta o Rio Grande”, que tem como proposta revelar os seus magistrados como intérpretes de músicas nativistas do Rio Grande do Sul. Prometi ao Marchionatti que vou aproveitar este final de semana, que fico em Porto Alegre, para escutar.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Posse do novo presidente estadual do Partido Progressista

Ontem fui na posse do novo presidente do Partido Progressista, o Pedro Bertolucci. Confesso que fui uma das articuladoras para que o Pedro aceitasse comandar o meu partido.Vários foram os motivos para isso, mas talvez o mais forte deles é que eu não queria que o novo presidente tivesse um mandato de deputado. Para mim esse cargo requer dedicação exclusiva e total isenção. Em todas as minhas falas defendi essa tese com convicção. Foi um processo de debates e muitos embates complicados até chegarmos a um consenso e fiquei muito feliz com a indicação dele. O Pedro Bertolucci já avisou que a sua meta na administração será: planejamento e gestão. E eu acredito, porque ele é um grande gestor e o PP precisa é disso!
O evento foi muito legal, centenas de lideranças progressistas prestigiaram esta troca de comando, mas o melhor de tudo, para mim, foi encontrar todas aquelas pessoas que trabalham que nem umas formiguinhas, garimpando votos, segurando bandeiras e entregando panfletos. Eu gosto desse contato com os que colocam as nossas campanhas nas ruas. Vi também alguns líderes de outros partidos, como a deputada estadual Zilá Breitenbach (PSDB) e o deputado federal Beto Albuquerque (PSB). Também o Presidente da OAB, Dr. Cláudio Lamachia e o Dr. Pelisier, estiveram por lá. O Pedro foi prefeito de Gramado por quatro mandatos e assumiu no lugar do deputado Jerônimo Goergen, que fez um belo trabalho num período extremamente difícil para o partido. O Jerônimo aumentou o número de vereadores, prefeitos e vices nessa última eleição estadual. E vamos, lá! Rumo à próxima.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Meu blog...


Nessa onda de tantas novas ferramentas de comunicação que nos são apresentadas com a rapidez da tecnologia, os blogs me chamam a atenção e neles vejo um excelente meio de expressão, ágil e direto.
Há um tempo já escuto das pessoas próximas, e mesmo de algumas distantes, com quem me comunico por todo o Estado, que eu deveria ter um.
Relutei bastante frente a minha compromissada agenda de Secretária de Estado, frente ao tempo que me exigiria, mas, confesso que fui vencida justamente por ver que o blog pode ser um instrumento positivo nessa minha atual dinâmica de trabalho e vida.
Então, aqui estou eu, lançando o meu blog e abrindo espaço para um contato espontâneo com as pessoas que se interessam por acompanhar minhas atividades, os assuntos que julgo importante compartilhar, minhas reflexões e ideias.

Um abraço, Mônica Leal