Projetos

terça-feira, 31 de julho de 2012

Comitê central inaugurado

.  
Foi muito empolgante a inauguração do comitê central do candidatura José Fortunati/ Sebastião Melo, nessa terça à noite.
No espaço do antigo Cinema Avenida, local um dia tão frequentado pelos porto-alegrenses, estiveram reunidos filiados de todos os partidos da coligação Por Amor a Porto Alegre e muitas lideranças expressivas como o senador Pedro Simon, o deputado federal Vieira da Cunha, os ex-prefeitos Villela e José Fogaça, claro, que discursou com muita emoção. Em comum a confiança no candidato Fortunati, que há muito trabalha pela cidade e, na minha opinião, a conhece como a palma da mão, porque está sempre presente, acessível, perto da população. É um gestor competente, dedicado e sério.
O vídeo e o jingle da campanha foram apresentados e isso empolgou ainda mais o ambiente.
Fortunati estava acompanhado da família e muito a vontade e feliz vendo tanta gente junta por uma causa nobre chamada Porto Alegre. As imagens de Paula Fiori mostram este clima:

 
    
   
    
   
      
  
                     
                    
      



Chegou o grande dia!


É hoje às 19h a  inauguração do  Comitê Central da nossa Coligação "Por Amor a Porto Alegre".





segunda-feira, 30 de julho de 2012

Coisas em comum



É muito boa essa troca que o Facebook proporciona, rápida, direta. Para mim é uma vitrine pra gente colocar o que gosta, um espaço democrático para se divulgar o que faz bem pra vida.
Ontem dei a dica de leitura do texto da Martha Medeiros na ZH de Domingo e foi tão bom saber que muita gente também leu e gostou, como eu! A própria Martha teve o carinho de retornar. E não foi só no Facebook que postaram seus comentários. Vieram por e-mail e também pelo meu blog, pois lá postei o texto na íntegra. Olha só alguns dos comentários:


Que bom que gostou, Mônica. Obrigada!
Beijo, bom domingo,
Martha


Concordo em gênero, número e grau....querida!! Bjs. Ana Rizzon

Martha “amadurece”. Ronaldo Lopes Leal

Super concordo! Suzy Vellinho Englert

Concordo! Iara Zippin

Exatamente !!!!! Maria Izabel Stefanello

Excelente crônica da Martha Medeiros:“Sustento feminino”! Ela fechou com chave de ouro! Juliana Leal Markusons

Muito interessante a crônica da Martha! Gostei da forma como finalizou. Aline Fontanella Klemt

Parabéns pela escolha do belo texto de Martha Medeiros. Fábio Mello

CONCORDO 100%. Moises Eli Magrisso 

Fã número um da Martha. Suzana Canosa 

É a minha primeira leitura no domingo...Marly Beatriz Nehring

Também achei muito boa! Marcia Sibemberg Turik 

domingo, 29 de julho de 2012

Meses festivos


Quem tem família grande sabe que determinados meses do ano são de muitas festas por conta dos aniversários que coincidem.
Na clã dos Leal, isso ocorre nos meses de junho e julho, quando as mudanças de idade do meu pai, irmãos e sobrinhos dominam as nossas agendas.
Na primeira foto abaixo, minha irmã Martha está com meus pais no aniversário da sua filha Júlia, que é uma menina linda, alegre e inteligente.
Na outra foto, minha irmã Maria Inês e meu sobrinho Tiago, que fizeram aniversário nessa semana que passou. Essa dupla querida atua na área de saúde. Ela é enfermeira de alto padrão, professora da Unisinos e trabalha no Hospital Santa Rita em POA. Não conheço ninguém mais abnegada do que a Inês. Ele é um jovem médico cirurgião proctologista de muito sucesso.
Mãe e filho comemoraram os aniversários com a família.



Leitura de domingo


Martha Medeiros é para mim uma das melhores escritoras brasileiras. Ela tem o dom de exteriorizar em palavras o que vai na cabeça e no coração das mulheres. Fala da essência feminina muito diretamente, de uma forma leve, que diz tudo.
A crônica deste domingo publicada no Segundo Caderno do jornal Zero Hora traduz essa sensibilidade. Adorei, e recomendo a leitura:




Sustento Feminino, de Martha Medeiros


Participando de um seminário sobre comportamento, foi dito que as mulheres estão de tal forma cansadas de suas múltiplas tarefas e do esforço para manter a independência que começam a ratear: andam sonhando de novo com um provedor, um homem que as sustente financeiramente.
Não acreditei. Outro dia discuti com uma amiga porque duvidei quando ela disse estar percebendo a mesma coisa, que as mulheres estão selecionando seus parceiros pelo poder aquisitivo não só as maduras e pragmáticas, mas também as adolescentes, que ainda deveriam cultivar algum romantismo.
Então é verdade? Pois me parece um retrocesso. A independência nos torna disponíveis para viver a vida da forma que sonhamos, sem ter que “negociar” nossa felicidade com ninguém, e são poucos os casos em que se pode ser independente sem ter a própria fonte de renda (que não precisa obrigatoriamente ser igual ou superior a do marido). Não é nenhum pecado o homem pagar uma viagem, dar presentes, segurar as pontas em despesas maiores, caso ele ganhe mais – é distribuição de renda.
Mas se é ela que ganha mais, a madame também pode assumir o posto de provedora sênior, até que as coisas se equalizem. Parceria é uma relação bilateral. É importante que ambos sejam autossuficientes para que não haja distorções sobre o que significa “amor” com aspas e amor sem aspas.
As mulheres precisam muito dos homens, mas por razões mais profundas. Estamos realmente com sobrecarga de funções – pressão auto- imposta, diga-se –, o que faz com que percamos nossa conexão com a feminilidade: para ser mulher não basta usar saia e pintar as unhas, essa é a parte fácil.
A questão é ancestral: temos, sim, necessidade de um olhar protetor e amoroso, de um parceiro que nos deseje por nossa delicadeza, nossa sensualidade, nosso mistério. O homem nos confirma como mulher, e nós a eles. Essa é a verdadeira troca, que está difícil de acontecer porque viramos generais da banda sem direito a vacilações, e eles, assustados com essa senhora que fala grosso, acabam por se infantilizar ainda mais.
Podemos ser independentes e ternas, independentes e fêmeas – não há contradição. Estamos mais solitárias porque queremos ter a última palavra em tudo, ser nota 10 em tudo, a superpoderosa que não delega, não ouve ninguém e que está ficando biruta sem perceber.
Garotas, não desistam da sua independência. Façam o que estiver ao seu alcance, seja através do trabalho ou do estudo, em busca de realização e amor próprio. Escolher parceiros pelo saldo bancário é triste e antigo, os tempos são outros. É plausível que se procure alguém com o mesmo nível intelectual e social, com um projeto de vida parecido e com potencial de crescimento – mas para crescerem juntos, não para garantir um tutor.
A solidão, como contingência da vida, não é trágica, podemos dar conta de nós mesmas. Mas, ainda que eu pareça obsoleta, ainda acredito que se sentir amada é que nos sustenta de fato.





sábado, 28 de julho de 2012

Com o Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre




A tarde de sexta foi mesmo muito produtiva, pois estive reunida em audiência com o Prefeito José Fortunati, com duas categorias que eu prezo muito e que são importantíssimas para a vida na nossa Porto Alegre, os brigadianos e os taxistas, 
O vice-presidente do Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi), Adão Ferreira de Campos levou sugestões da entidade para melhorar questões relativas ao transporte na cidade.
O prefeito José Fortunati e o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, receberam as demandas apresentadas .
Entre as questões tratadas no encontro estão liberações de carteirão, a possibilidade de um número maior de motoristas auxiliares autorizados a trabalhar nos veículos, a questão das transferências e permissões, maior fiscalização de prefixos irregulares, ampliação do acesso a cursos de inglês visando à realização de grandes eventos na cidade, como o Fórum Social Mundial e a Copa de 2014, e melhorias nos processos de vistoria de veículos. Cappellari listou uma série de melhorias já implantadas pela EPTC recentemente, sempre em diálogo com os taxistas. 
A reunião foi realizada no gabinete do prefeito e foi uma satisfação eu poder estar presente e intermediar este contato.


Matéria do site da ABAMF

 

Prefeito e diretores da ABAMF debatem sobre residências para brigadianos



Pres. ABAMF, Leonel Lucas, prefeito de Porto Alegre,José Fortunatti, candidata vereadora, Mônica Leal, sec. mun. da habitação, Jorge Dusso, dir. habitação ABAMF, Jairo Rosa


Começou com uma grande novidade o encontro, ocorrido dia 27 de julho, entre o presidente da ABAMF, Leonel Lucas, o diretor de habitação, Jairo Rosa, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunatti, o secretário de habitação da capital gaúcha, Jorge Dusso, e a candidata a vereadora Mônica Leal, na Prefeitura de Porto Alegre. Já, no ínicio da reunião que debateu sobre áreas para construção de moradias direcionadas aos brigadianos, o secretário municipal, revelou que uma área próxima ao Porto Seco, zona norte da Capital será cedida pela prefeitura para a construção de uma nova unidade do Corpo de Bombeiros.  De acordo com  Jorge Dusso, ” os trâmites devem ocorrer rapidamente e ainda no mês de agosto será assinada a permissão de uso.”

Reunião teve momentos de descontração

O encontro foi intermediado pela candidata do PP a Câmara Municipal de Porto Alegre, Mônica Leal, que havia visitado a ABAMF e se comprometido a promover conversa com Fortunatti para possibilitar mais residências destinadas aos servidores da segurança pública.
Os representantes brigadianos argumentaram com o prefeito de Porto Alegre, candidato a reeleição, José Fortunatti, a necessidade de moradias para os militares estaduais, por que muitos vêm do interior e ficam  residindo nos quartéis. O prefeito ressaltou: ” Temos trabalhado muito pela habitação em Porto Alegre. Estamos fazendo todo possível para construir priorizando pessoas com renda até três salários mínimos, mas  vamos estudar a viabilidade de construir residências para quem recebe de três a seis salários mínimos e  esteja ligado ao setor da segurança pública”.
Durante o debate foi ressaltado que em  áreas de capital, onde foram residir brigadianos, a criminalidade se diminuiu. O fato de haver policiais no local gera aflição nos criminosos que tentam tomar território e amedrontar moradores, mas com profissionais da segurança pública próximos  isso é bem mais difícil de acontecer.
 

Representantes brigadianos foram recebidos pelo prefeito de Porto Alegre

Novos encontros irão ocorrer. Áreas para construção de casas e apartamentos serão analisadas. A ABAMF irá pesquisar locais e conversará com o prefeito buscando minimizar a problema da habitação dos brigadianos.


Paulo Rogério N. da Silva
Jornalista ABAMF




quinta-feira, 26 de julho de 2012

Mensagem especial


Nesse dia 26 de julho em que se comemorou o Dia dos Avós, eu recebi no meu Facebook uma postagem da minha filha Juliana, daquelas que deixam a gente sorrindo por dentro e por fora.
Em função da minha campanha, saí cedo de casa e nem pude me deter no Facebook, mas o efeito do que a minha filha escreveu foi tanto que teve gente que leu e me ligou para comentar ou me avisou por torpedo!
Só posso dizer que curti muito essa lembrança da Juliana e que sou ainda mais feliz pelo carinho que recebo da minha pequena Martina e em breve da Catharina.



Mãe amada, hoje é o dia da vovó, e a Martina e a Catharina não poderiam estar melhor servidas de avó, por isso em nome delas, eu quero te agradecer e te dar um beijo especial nesse dia e dizer que és uma segunda mãe para elas! As meninas terão muita sorte de crescer ao teu lado, assim como eu tive em ser tua filha! Obrigada, te amamos.
Juliana


Meus dois xodós!




Martina

Marcela


                   
                 



terça-feira, 24 de julho de 2012

A realidade no bolso



Muito se fala na atual situação econômica brasileira, do aumento do PIB, da recuperação do crescimento nesse segundo semestre, da nossa situação frente a crise global. Mas, em meio a esse positivo avanço do país nessa área, onde almejamos que permaneça e caminhe para a estabilização da inflação, para a cobrança de menos impostos, para o oferecimento de mais opções de crédito e de melhores salários, ou salários, no mínimo, dignos aos seus trabalhadores, recebi um desabafo de um militar em forma de e-mail dirigido a Presidente Dilma.
Assim como este cidadão, há outros e muitos prestadores de serviços vitais para a sociedade brasileira, passando pelo mesmo problema - não conseguir sustentar sua família. 
Fico indignada com esse discurso que a economia do país vai bem, que não tem inflação...
Ora, as pessoas estão endividadas e por conta de itens do custo básico necessário, como água, luz, gás, saúde, alimentação e educação, como bem relata o texto.
Parece que nossos governantes não enxergam isso, pois vivem no mundo da fantasia, onde o parâmetro financeiro é outro, onde impera o descalabro. 
Há, sim, esferas profissionais que já conquistaram seu valor, reconhecido em planos de carreira, por exemplo. Dessa forma é que todas as categorias deveriam ser olhadas, mas enquanto isso não acontece, vão causando esse desequilíbrio social que estamos vendo, onde reivindicam os professores universitários, enfermeiros, homens do campo,policiais militares...


Presidente Dilma, veja meu contracheque de Capitão do Exército Brasileiro, em anexo.
0 MEU SALÁRIO LÍQUIDO: R$ 5.299,00 (cinco mil duzentos e noventa e nove reais).
 
- Comando 48 homens (imagino o salário deles... bem menor que o meu).
- Trabalho cerca de 50 horas por semana, mas estou há 15 anos de prontidão, pronto para ser acionado (em caso de garantia da lei e da ordem, ou outro motivo julgado necessário por meu comando).
- Por lei, não posso fazer greve. Mas faço operações de fronteira com colegas da Polícia Federal que ganham 3 vezes mais que eu. Eles podem fazer greve.
- Vários Natais, Carnavais e aniversários de minha filhinha, hoje com 6 aninhos, e do meu guri, com 8, passei na selva, em treinamento.
- O armamento que uso, Presidente, é ultrapassado.
- Minha esposa até tinha conseguido um trabalho com artesanato, que dava um ganho de uns 200,00 a cada mês e meio, + ou -. Mas desde nossa última transferência, ela está meio deprimida, e não consegue ajudar aqui no sustento da casa.
- Jurei que não colocarei meus filhos em escola pública. Só consigo mantê-los atualmente na escola particular graças à ajuda do diretor do colégio (fez um "pacote" mensal para mim, pra 2012, de R$ 1.620,00).
- Tento economizar em outras coisas... O carro, por exemplo, é o mesmo há 6 anos. E já me dá um trabalhão de oficina.

- As crianças e minha esposa usam as mesmas roupas do ano passado. Sim. Estamos em julho; e a última roupa comprada para os três foi no Natal.
A próxima roupa? Se Deus quiser, no Natal.
- Mês passado, tomei uma decisão (pena que minhas crianças é quem mais vão sofrer): cortei a TV por assinatura (eu tinha um pacote básico).
- Agora nosso tormento vai ser tirá-los da TV aberta. Leitura? É o que eu e minha esposa gostaríamos de incentivar neles. Mas... Presidente... Como livro é caro, viu!
- Moro na Vila Militar. Não consigo sequer planejar a compra de um imovelzinho... um apartamento pequeno, para que quando a reserva chegar, não pegue de surpresa um "Coronel desavisado" (como já vi acontecer com dois conhecidos).
Bem, Presidente:


- Como não posso economizar na Amoxilina e outras medicações, que de vez em quando meus filhos tomam;
Como não posso economizar no composto feito em farmácia de manipulação, que a endócrino prescreveu para minha esposa (ainda bem que a minha saúde ainda é muito boa);
Como não posso economizar com a gasolina, nem com limpeza (a quantidade de sabão em pó, detergente, etc, é fixa);
Como a conta de luz e telefone já chegou a um mínimo, de onde não dá mais para economizar; e
Como o meu filho sabe que não posso pagar a ele os passeios (meio caros) que a escola propõe para a turma...
Para fugir dos empréstimos, passei a economizar comprando menos comida.
Isso, Presidente.
Jurei não recorrer mais às financeiras... a muito custo estou abolindo cartão de crédito. Mas para isso digo que estou cada vez comprando menos comida.
Há quatro anos me "sobra", para o supermercado e a feira do mês, de 1200 a 1300 reais.
Só que as coisas sobem. A inflação está baixa... mas as coisas sobem.
Pode parecer ridículo, mas passei a comer menos vegetais... até mesmo menos arroz e feijão.
Pelo menos tenho o café da manhã e o almoço no quartel, onde posso até repetir o prato, de vez em quando, quando a comida tá boa...
A sra viu quanto está o preço da couve? do brócolis? Eu queria ter esses vegetais todos os dias na mesa de casa... mas atualmente, só dá 1 vez na semana.
E o que dizer do leite? E do acém? E o preço do quilo do peixe?
Há dois anos, comíamos peixe a cada duas semanas, pelo menos.
Hoje não dá.
Em casa, hoje em dia, substitui-se legumes por pão, em algumas ocasiões.
É menos saudável, eu sei.
Mas enche mais a barriga. É barato
.Já faz um tempão que não usamos azeite de oliva. Puxa, presidente, como o azeite é saboroso! Lembra minha infância!
Hoje, consigo comprá-lo muito raramente. Muito caro, Presidente!
Eu não tomo mais iogurte em casa, nem minha esposa. O litro que consigo comprar, semana sim, semana não, fica para as crianças.
Minha esposa adorava um chocolate. Não come mais.
E os guris ficam com o que consigo comprar. Adianto, Presidente, que faz três anos que o chocolate não é mais Nestlé, Garoto ou Lacta.
Compro uma barra, semana sim, semana não, da marca mais barata.
Comer fora? Consigo levar minha família ao McDonald's a cada seis meses. A cada dois meses, um Habib's. Duas esfihas p/ cada.
Sim! Precisamos economizar.
Ainda por cima, já faz quase cinco anos que mando 150,00 por mês para meus sogros.
Eles bem que precisariam de mais, mas não consigo aumentar essa quantia...
Tenho uma esposa que, graças a Deus, me compreende.
O chato, Presidente, é que tem coisas que não dá para fugir. Por exemplo: eu tenho que economizar para dar a minha filha, no Natal, a boneca que não pude dar em seu aniversário.
Aniversário que, diga-se de passagem, foi na lanchonete, com mais duas amiguinhas... e não numa casinha de festa, como ela queria, com todas as amiguinhas da sala...
O chato, Presidente, é que AMO meu Brasil e meu Exército...
Agora pergunto a V.EXA: é justo isso, Presidente?...Por que outras carreiras do Executivo são tão bem pagas??...
                         




segunda-feira, 23 de julho de 2012

Retrato urbano




Uma cena como esta da imagem, retrata uma prática muito comum na cidade de Porto Alegre.
Quando determinadas categorias sentem-se insatisfeitas com seus salários, ou não estão tendo suas causas atendidas, vão para as ruas protestar. Aí param o trânsito, trancam a cidade e infernizam a vida de milhares de cidadãos que tem que cumprir com as suas obrigações, independente de gostarem do seu ganho. 
Me incomoda muito ver um absurdo desses, assim como ler uma notícia de que este ou aquele movimento interrompeu uma RS ou uma BR por conta de revindicações.
Ora, da maneira como isso acontece, é praticamente um crime de ordem pública e jamais apenas uma dita manifestação pacífica.
Desde quando impossibilitar o acesso das pessoas a seus destinos é algo pacífico?
Pelo contrário, gera um verdadeiro espírito de guerra para quem está de fora, porque há prejuízos, atrasos, cancelamentos, estresse em geral.
As cidades grandes, as regiões metropolitanas, já não comportam este tipo de movimentação e a população merece que venha a acontecer, no mínimo,  de forma a permitir seu ir e vir de direito.


domingo, 22 de julho de 2012

Calor reconfortante


Não dá para negar que uma lareira acesa tem o seu valor nos dias frios.
Desde a hora em que cheguei em casa, e aí já se vai um bom tempo, estou sentada na frente do fogo me aquecendo, tomando um bom vinho e degustando uma berinjela dos deuses. 
A temperatura do dia até enganou um pouco, mas eu andei muito na rua e o vento que estava gelado me deixou com o rosto vermelho, coisa típica do nosso inverno gaúcho. 




sábado, 21 de julho de 2012

Campanha, amigos e família


Meu sábado foi bem agitado. Acordei cedo, desci para a cozinha e tomei café lendo os jornais como de costume.
A única diferença é que nesse dia da semana, eu não escuto rádio porque não gosto de nenhum programa que vai ao ar de manhã cedo, então, aproveito para curtir o silêncio da casa.
Na sequência, fui para o escritório e no computador coloquei a correspondência eletrônica em dia.
Às 9h, já estava na rua rumo ao centro da cidade para uma reunião com um importante lider político que se engajou na minha campanha e não preciso nem dizer que isso me deixou muito contente.
Alíás, foram tantas as coisas maravilhosas que aconteceram nas últimas horas,  que só reforcei meu sentimento de que quem tem amigos tem tudo nessa vida.
Creio em Deus sempre e sei que ele ilumina o meu caminho.
Depois de dar conta das minhas tarefas de candidata à vereadora de Porto Alegre, onde garimpei votos nos locais que havia mapeado e vi mais uma vez que planejamento é o meu grande trunfo, fui almoçar na Juliana para encontrar com a minha irmã Cristina e suas filhas Aline, com seu recém-nascido, Thomas, e Gabriela, que mora em Londres e está visitando a família.
A Martina estava numa faceirice danada por conta de apresentar o quarto da irmã Catharina, que ficou pronto essa semana.
Vejam a foto que faz o registro das gerações.




sexta-feira, 20 de julho de 2012

Junto aos servidores da segurança


Visitei a Associação Beneficente Antônio Mendes Filho dos Servidores da Brigada Militar, ABAMF, e conversei com o presidente Leonel Lucas e com o diretor habitacional, Jairo Rosa, sobre as atividades desenvolvidas pela entidade para dar melhor qualidade de vida aos militares estaduais. Ouvi deles as sugestões, viáveis aos políticos, para auxiliar os policiais e bombeiros militares. 
Na organização da minha agenda de campanha à vereadora, A ABAMF foi a primeira associação da segurança que visitei, a fim de informar sobre os meus planos de trabalho na política.
A minha caminhada iniciou com o apoio destes servidores e quero discutir temas e propor projetos que incluam as questões da segurança pública na Câmara Municipal de Porto Alegre, novamente. 
Discordo das opiniões que jogam toda a responsabilidade da segurança sobre o Estado.
A segurança passa por tudo. Está nas ruas, nas escolas, nos postos de saúde de cada município gaúcho.
Acredito que a segurança pública também é responsabilidade do prefeito e que seus vereadores são instrumentos importantes para a observação e para a melhoria desse setor vital da nossa sociedade.
A luta militar e dos profissionais da segurança faz parte da minha vida. Cresci vendo o trabalho do meu pai, Pedro Américo Leal, como professor da APM e da Academia da Polícia Civil, sempre defendendo a atuação destas entidades no combate ao crime. Eu, como filha de bom soldado, vou continuar nesse caminho, pelo bem da minha comunidade. 
Como vereadora, aprovei em 2005, o projeto da inclusão da Segurança Urbana na já existente Comissão de Defesa do Consumidor, e Direitos Humanos.  Me empenhei pela efetivação da proposta de armar a Guarda Municipal de Porto Alegre, que nessa época iniciou seu processo de modernização, com a aquisição de equipamentos, viaturas e qualificação do efetivo. 
Estamos todos acuados e cansados de tanta criminalidade e violência. É crucial a ação dos governos em priorizar a segurança.
Na Câmara, vou cobrar junto às autoridades constituídas que atuem de forma ostensiva para a nossa segurança, diuturnamente.
 O povo está clamando por segurança e esta causa é minha prioridade.



Com o presidente da ABMF, Leonel Lucas


quinta-feira, 19 de julho de 2012

Campanhas nas ruas!




Hoje, do meio-dia a uma da tarde, o candidato a prefeito José Fortunati e vereadores dos partidos da coligação Por Amor a Porto Alegre, reuniram-se pela primeira vez para a tradicional bandeirada e corpo a corpo com os eleitores na famosa Esquina Democrática.
O dia estava maravilhoso para o encontro, que foi muito bem recebido, pois foi alegre, respeitoso e tranquilo. 
Ali buscamos conversar com quem passava, responder àqueles que se dirigiram a nós com interesse e empolgação.
Como foi bom, e como é fundamental esse contato direto com a população porto-alegrense quando estamos propondo um trabalho serio e comprometido em prol da nossa cidade. 
Agora é isso, campanha na rua, muita energia e sorriso no rosto!!





Crédito das fotos: Jefferson Bernardes e Augusto Stefanello

terça-feira, 17 de julho de 2012

Vitrine instantânea



Começado o período de campanha política para as eleições municipais de outubro, teremos no Facebook uma amostra diária de divulgação das diferentes propostas dos concorrentes a prefeitos e a vereadores.
Neste ano, este instrumento de comunicação da internet estará totalmente a serviço dos candidatos.
Observei que isso já está causando polêmica e já é motivo de debate e troca de comentários nos perfis. 
Particularmente, penso que é um direito o uso desta ferramenta para propaganda e divulgação de qualquer coisa e, desta forma, muitos casos de sucesso de negócios, serviços, estabelecimentos, festas e produtos já foram alcançados. Se não interessa, basta deixar passar, deletar.
O Facebook é uma vitrine instantânea e pode ser bem ou mal recebida, bem ou mal usada, mas como qualquer veículo de comunicação, na minha opinião deve ser utilizado de forma respeitosa, com bom senso.
Assim, aproveito para dizer que eu, Mônica Leal, sou candidata à vereadora de Porto Alegre e no meu perfil vou registrar minha campanha para quem quiser acompanhar como está a minha caminhada política, que faço com muito orgulho, força de vontade e interesse de melhorar a minha cidade. É um espaço que me cabe e farei uso dele.





Em tempo:Propaganda na internet- Resolução TSE 23.370 arts.18 a 25.


                   

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Programa de domingo


Desde a semana passada, estou num moto-contínuo. Não parei nem para almoçar. Fiz lanches por onde andei. Todo meu tempo foi utilizado para a campanha eleitoral que iniciou. 
Estou feliz da vida com a boa aceitação do meu nome como candidata a vereadora de Porto Alegre.
Adoro falar com o povo nas ruas. Me encanto com a sabedoria popular. Muitas pessoas queridas aderindo, ligando para se engajar.
O sentimento que tenho é de estar acompanhada por um exército de amigos.
Na minha família todos sabem e compreendem que essa é uma época em que trabalho três turnos do dia, nos finais de semana, feriados e até no meu aniversário, ou seja, muitas vezes não consigo chegar nos nossos compromissos e não tem cobrança, o que ajuda bastante. Mas, nesse domingo, aconteceu um fato curioso. Pela manhã, eu estava numa reunião de bairro, quando atendi meu celular e escutei a voz da Martina falando: "Eu quelo no cico”. Na mesma hora, lembrei que esses dias nós duas assistimos a propaganda do Circo Vostok na tevê e eu prometi levá-la, então, como para mim palavra dada é promessa sagrada,  respondi que à tarde iríamos. 
Liguei para a Fernanda, minha nora e contei do meu plano, pois queria levar também a Marcela. Feito isso, combinei com o Alexandre, que está sempre pronto para passear com as meninas e lá fomos nós quatro para o circo.
Foi um programa maravilhoso!
Elas ficaram encantadas e se comportaram muito bem. 
Valeu a parada na agenda de campanha!
Vejam as fotos.