Projetos

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Uma parada necessária


Daqui a pouco, estarei viajando em férias.Vou passar um bom tempo fora e, antes de partir, eu preciso deixar registrado ao meu leitor, a minha leitora, que mil dúvidas passaram pela minha cabeça sobre atualizar ou não o blog nesse período.
Quem me conhece sabe que acredito muito, e de verdade, na palavra proferida. Ela é determinante na minha vida pessoal e profissional.
Sempre levei muito a sério a palavra. Penso nela como uma ferramenta mágica que tem o dom de aproximar as pessoas, que abre caminhos, encurta distâncias, resolve desavenças e que exterioriza sentimentos. E ela nos custa tão pouco, apenas a nossa dedicação e cuidado. Mas, é preciso ter responsabilidade no seu uso, senão, podemos machucar e afastar alguém.
Então, mesmo sentindo muita vontade de compartilhar a minha viagem com vocês através das postagens, não vou fazê-lo, justamente porque não sei se terei condições de assumir esse compromisso.
Não quero ficar preocupada imaginando que meus leitores estão acessando o blog para ver se eu postei alguma novidade. Isso me deixaria muito mal.
Se tem uma coisa que aprendi ultimamente, é ter plena consciência dos meus limites. Vou até onde posso. Procuro fazer sempre mais e melhor, mas nem sempre isso é o suficiente.
Pensei muito e foi no domingo de noite que eu decidi ficar fora do ar nesse tempo de viagem. Considerem isso como umas férias do meu blog. Vou aproveitar essa oportunidade para dar uma parada com tranquilidade e me apossar por completo da minha vida.
Desejo a todos, de coração, um FELIZ NATAL !





                     



segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

domingo, 18 de dezembro de 2011

Doce Tradição

Essas fotos registram o almoço de sábado na casa dos meus pais. Esse é um hábito que a família Leal não abre mão.


Com meu pai
 Juliana, Ângela, minha mãe, Martha, eu, Aline, Gabriela, Luisa com a Cristina


Júlia e Martina aprontando 
Martina e Juliana

sábado, 17 de dezembro de 2011

Presentes pensados com o coração

 
A medida que me aproximo do Natal- a data por excelência de todos os presentes- começo a questionar o próprio conceito de dar.
Qual o objetivo que está na base dessa atitude?
Eu confesso que, por mais que tentem me convencer de que é um ato de consumo, uma bobagem, um gasto desnecessário, um cansaço, o que me vem na cabeça são as imagens do brilho nos olhos e do sorriso da pessoa a quem entrego o meu presente.
Ah! Essas lembranças derrubam todos os meus questionamentos e a emoção vence a razão.
Para mim, oferecer um presente é sempre um sinal de carinho. É como escutar o coração da pessoa que recebe batendo num compasso mais feliz.
Penso que o gesto de presentear é revestido de muitas coisas e começa pela vontade de dar algo a alguém que me é importante. Depois, vem a busca de encontrar o presente certo, o que requer pesquisa e tempo.
O conteúdo é decisivo, pois transporta consigo uma mensagem. Por exemplo: uma gravata bonita é para ser entendida como um detalhe para realçar a roupa de quem se veste de forma elegante. Um apetrecho esportivo é um incentivo a essa prática. Ou, por outro lado, eu posso interpretar o perfume certo que recebi de presente, como um sinal de que a pessoa conhece o aroma que sempre usei e me identifica.
E essas trocas não tem nada a ver com valores.
Algo simples como uma guloseima preferida também tem o seu efeito encantador, pois mostra o quanto sabemos da pessoa que estamos presenteando.  
O significado de dar um presente é que é importante, não o seu preço ou o seu tamanho. 
Os presentes conservam em si a imagem e o sentimento que o remetente tem do destinatário. 
Me atrevo a dizer que são pequenas e importantes declarações, porque são pensados com o coração, criados com dedicação e dados com amor.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Compartilhando comentários recebidos dos meus leitores


Pessoal querido, que acompanha o meu blog, estou tentando dar conta das mensagens recebidas por e-mails.Foram muitas, e fiquei feliz da vida! Poderia tê-las postado conforme iam chegando, mas preferi aguardar para juntar todas e dar o devido destaque. Então, agora vou compartilhar os comentários recebidos e que muito me gratificam.



Comentários sobre a postagem "O tempo é a gente que faz!"

Oi Mônica!
Não sabia que as americanas usam esta prática. Mas, nós aqui na Wizard, trabalhamos de tubinho preto, com maquiagem e saltos altos. Então, eu e minhas colegas adotamos a prática de vir ao trabalho a pé e de saltos baixos e trocamos pelos poderosos saltos aqui no trabalho.
Amo o teu blog.

Ontem copiei uma postagem tua.
Espia meu blog:
Beijos grandes,
Naíse
Cidade de Santiago


Amiga !
maravilhoso o teu texto e sábia conclusão !
Beijão e boa viagem !!!
Andrea Perna



Mãe, adoro ler teus textos, escreves com sentimento!
Bjs
Juliana



Mônica, acompanho teu blog e gosto muito quando escreves sobre as mulheres.
Parabéns pelo texto “O tempo é a gente que faz!” Eu me vi nele!
Um beijo
Berenice Terra


Mônica
Muito lindo e verdadeiro!
Um beijo
Inês



Comentário sobre a postagem “Adão, concordo contigo!”

Mônica! Tua leitura é qualificada e me enche de orgulho.
Dá notícias.
Um abraço!
Adão Oliveira
Jornalista político do Jornal do Comércio

Comentário sobre a postagem “ José Luiz Prévidi - Faz um jornalismo que fala com todos

Mônica
Tu és a coisa mais querida!!!



Mensagem do jornalista Flávio Pereira

Mônica Leal:

Provaste mais uma vez que a família Leal é realmente leal!!!
Muito obrigado pela atenção esta tarde no evento no qual recebi a Comenda da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, eis que nestes momentos,por mais experiência que se tenha,o nervosismo nos fragiliza.
Ao fim,não demos eu e minha família,a atenção que tu mereces.
Sou-lhe muito agradecido!
Flávio Pereira
Colunista político do jornal O Sul 



Comentários sobre a postagem "Na ponte Rio-Porto Alegre"


Que pena, minha prima, que dessa vez não deu para nos encontrarmos! Essa foto da Confeitaria Colombo me lembrou o nosso último encontro, que foi ótimo! Estou recém chegada da casa da Ivana, em New York, eu e Carlos Luiz fomos ficar um pouco com eles, pois o Jack  teve o osso na altura do tornozelo fraturado em 3 lugares devido à um tombo, e se submeteu à uma cirurgia séria. Agora ele já está em casa se recuperando. A Ivana está  sem poder trabalhar , só cuidando do Jack. Se puder, dá uma força para ela, que está precisando de "colinho"...... Bjksss
Maucha



Mônica
Sensacional o texto “Na ponte Rio-Porto Alegre”!
Um abraço
Fábio Mello



Mônica
Achei belíssima a postagem da Confeitaria Colombo. As fotos são lindas!
A tua sinopse da mais famosa confeitaria do Brasil foi perfeita, parabéns!
Um abraço
Ana Maria


Mônica
Gostei de saber do teu “faro” jornalístico! Foi um “furo” muito bem aproveitado na mídia impressa.
Um beijo
Fernanda


Comentário sobre a postagem "Rio de Janeiro - A Retomada de Três Territórios

Olá Mônica, tudo bem? Gostaria de entrar em contato contigo, pois sou genealogista e tenho documentos que comprovam o nosso parentesco, ainda que distante.
Gostaria de ter informações sobre antepassados em comum, originários da Espanha.
Tu és filha da Sra. Carmem Ibañez, neta de João Ibañez, bisneta de Juliana Gil Ibañez e André Ibañez e trineta de Andrés Ibañez Santolin e Maria Fernandes (da Espanha). Eu sou filho de Luiz Fernando Ribeiro, neto de Cláudio Ribeiro, bisneto de Zaida Ibañez Soriano, trineto de Trinindad Ibañez Soriano e tetraneto de Andrés Ibañez Santolin e Maria Fernandes. O André e a Trinindad eram irmãos e vieram juntos da Espanha, ao que sei, sendo ele casado com a Juliana Gil Ibañez e ela com José Soriano Peres. Tenho vários documentos que comprovam as informações que estou dando: Inventários, testamentos, certidões de nascimento e óbito.
Gosto muito de genealogia. Gostaria de pesquisar mais, mas as certidões só dizem que vieram da Espanha. Se a sra. Carmem soubesse de que cidade, me ajudaria a ir mais longe. Se quiseres trocar informações sobre nossa ancestralidade, me avise. Tem gente que acha bobagem, por isso se você não se interessar, antecipo pedidos de desculpas e prometo não lhe incomodar mais.
Votei em ti para senadora.
Alexsander

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O tempo é a gente que faz!


Há cenas na vida da gente que assistimos e nunca mais esquecemos. Vou ainda mais fundo, podem ser coisas simples, até mesmo banais, que nos marcam e ficam como um bom exemplo a seguir. Foi assim comigo, certa vez, quando fui passar uma semana em Nova York .
Certo dia, muito cedo da manhã, eu saía do hotel em direção ao Central Park para fazer minha caminhada e no trajeto me deparei com centenas de mulheres executivas caminhando apressadamente. Elas vestiam terninhos, com calças ou saias, de meias de nylon transparentes ou coloridas, mas calçavam tênis. Eu achei aquilo muito curioso, para não dizer super estranho e logo me interessei em saber o motivo. Então, fui atrás da informação. E não demorei muito a descobrir. Por sorte, tinha uma banca de revistas no meu caminho e vi uma moça com esse traje esquisito comprando o jornal The New York Times. Já no cumprimento, deu para constatar que era de origem portuguesa, aliás uma mulher muito simpática e bonita. Ela de pronto respondeu minhas indagações e abriu a sua bolsa, mostrando um lindo sapato preto de verniz com um salto altíssimo. Eleonora era o seu nome. Ela me contou que as mulheres americanas adotaram essa pratica de usar “tênis com vestidos e terninhos” nas idas e vindas do trabalho, para unir o útil ao agradável. É que naquela cidade o trânsito é infernal e o meio de transporte mais utilizado é o metrô. Assim, elas precisam caminhar da estação até o local onde trabalham. Como tem agendas cheias, muitas não conseguem freqüentar academias de ginástica, nem se exercitar nos parques, então, para evitar o sedentarismo, fazem esse percurso de tênis, com passos rápidos, que é para aproveitar o tempo mexendo o corpo de forma aeróbica.  
Achei isso o máximo e toda vez que escuto alguém dizer que não faz exercícios físicos porque não tem tempo, eu me lembro dessas mulheres americanas arrumadíssimas caminhando pelas ruas de tênis, com os seus sapatos de salto dentro das bolsas.
A verdade é que o tempo a gente que faz. Sim, é possível cuidar do corpo e da mente, basta querer! 





Em tempo: A foto que ilustra o meu texto foi retirada do site http://www.digitalphoto/


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Executivas do Brasil têm mais ambição

As profissionais brasileiras são mais otimistas em relação à carreira e mais dispostas a brigar por um posto no alto escalão das companhias do que as americanas. Estudo realizado no Brasil com mil mulheres de 67 multinacionais mostra que 80% têm ambição de chegar ao topo, ante 52% das profissionais dos EUA. "A disposição das mulheres para o trabalho nos países emergentes é muito maior", afirma Ripa Rashid, vice-presidente da ONG Center for Work-Life Balance, autora do levantamento junto com a economista Sylvia Ann Hewlett.

As brasileiras também lidam melhor com o acúmulo de papéis na vida pessoal e profissional e com a pressão no trabalho. Ripa ressalta que o suporte das mães, avós, irmãs ou de pessoas contratadas para cuidar dos filhos é fundamental. Para ela, as organizações deveriam olhar mais para as necessidades do público feminino. "As mulheres podem ser a solução para a escassez de talentos no país", diz.

Fonte:Jornal Valor Econômico

José Luiz Prévidi - faz um jornalismo que fala com todos

O lançamento do livro “200 Piadinhas para Ler nas Férias” foi um sucesso! Eu adorei ter ido lá abraçar o Prévidi. Ele estava radiante e tinha motivos de sobra para isso, pois os amigos foram em peso até o Tapas Bar para buscar o seu autografo. O ambiente estava animado e as conversas estenderam-se até tarde da noite. Eu saí cedo por conta do aniversário da minha irmã, mas igual encontrei muitos colegas da comunicação e conheci pessoas super queridas.
  



Com o jornalista e escritor, José Luiz Prévidi


Crédito da foto: Jomara Quadros Souza

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Progressistas discutem projetos de governo para Porto Alegre com lideranças do PDT

Geancarla de Aguiar-Imprensa do PP
Colaboração para o blog

Progressistas e pedetistas estiveram reunidos nesta segunda-feira (12), em Porto Alegre, para dialogar a possibilidade de continuidade da participação do PP no governo da Capital, atualmente comandado pelo PDT, e projetos para a cidade a partir das eleições de 2012.
O presidente do PP Metrolitano, Tarso Boelter, fez a primeira manifestação dizendo que os progressistas estavam ali para ouvir o prefeito Fortunati e os presidentes estadual e municipal do PDT, Romildo Bolzan Jr e Vieira da Cunha.
No encontro, os pedestistas manifestaram o interesse em continuar contando com o trabalho dos progressistas na sucessão municipal. A definição, no entanto, se dará a partir das discussões sobre projetos e planos de governo visando uma cidade cada vez melhor.
A participação do PP, destacou a Senadora, estará concentrada na plataforma de governo a ser apresentada pelos atuais aliados. A decisão sobre uma possível aliança deverá ocorrer somente a partir do final de março. “Temos uma parceria, esta aliança está posta e o que fazemos é muito transparente. Estamos conversando e isso é muito salutar num Estado politizado como o nosso. Não estamos discutindo cargos e sim projetos para Porto Alegre, que terá em 2014 o grande desafio de receber a Copa do Mundo, uma responsabilidade que necessita de infraestrutura e receptividade, pois a Capital estará no foco de um grande evento”, enfatizou a Senadora Ana Amélia.
O presidente estadual do PP/RS, Celso Bernardi, lembrou que os progressistas têm os mesmos objetivos do prefeito Fortunati e seu partido. “Nossos objetivos são claros, queremos apresentar sugestões para o plano de governo. Nós temos uma protagonista para as eleições de 2012 e que está fazendo seu trabalho exemplar, é nossa maior líder e também nossa maior operária. È o nosso fato novo, nosso maior patrimônio, é a Senadora Ana Amélia. Vamos entrar de maneira diferente nas próximas eleições municipais e seremos parceiros para fazer o melhor pela cidade de Porto Alegre”, afirmou Bernardi.
O encontro contou também com a presença dos secretários do PP na Administração Municipal, Kevin Krieger, da Fasc, Newton Braga Rosa, da Inova PoA, da ex-vereadora e ex-secretária estadual da Cultura, Mônica Leal e do ex-presidente do PP de Porto Alegre, Tulio Macedo.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O poder das caminhadas


Já teve vezes que, após uma semana muito corrida, o cansaço bateu forte, me fazendo acordar tarde e demorar a sair de casa para fazer a minha caminhada matinal. Só em casos muito extremos isso é capaz de acontecer comigo, porque sou adepta aos exercícios aeróbicos, faça sol ou faça chuva, esteja em Porto Alegre, na praia, ou em viagem. Sempre reservo uma hora do dia para caminhar na rua ou na esteira e se tiver tempo livre, ainda faço 30 minutos de transport
Quem me conhece, sabe que a caminhada faz parte da minha rotina desde menina e aí tem uma história curiosa e até engraçada. É que meu pai, que é formado em educação física, foi o primeiro professor de ginástica dos sete filhos. Ele nos fazia caminhar da Praia Grande de Torres até o Rio Mampituba. O fato é curioso porque ele, naquela época, já defendia os benefícios da caminhada para o corpo e para a mente. E, engraçado, porque ele dividia os filhos em dois grupos: feminino e masculino. As mulheres tinham que caminhar na ponta dos pés para terem pernas torneadas. Os homens tinham que correr e fazer carrinho de mão para terem ombros fortes.
Eu, quando adolescente, achava que aquilo era uma boa maneira de cansar a gurizada, imagina, sete filhos com diferença de dois anos os cinco primeiros e depois as duas últimas de quatro anos, era uma verdadeira tropa.
Então, foi assim que os exercícios entraram na minha vida. 
Esses dias me caiu nas mãos uma pesquisa com o titulo “Andar para Lembrar”. Um estudo realizado pela Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, concluiu que a caminhada traz, além de benefícios físicos, vantagens extras para a terceira idade: a prática regular do exercício ajuda a manter a memória.

Como foi feito o estudo: 120 homens e mulheres sedentários, entre 50 e 80 anos, foram divididos em dois grupos. Um dos grupos fez caminhadas de quarenta minutos, três vezes por semana, enquanto o outro participou de atividades menos aeróbicas, como ioga e alongamento. Depois de um ano, os participantes foram submetidos a exames de imagem do cérebro e testes de memória.

O resultado: no grupo das caminhadas, o hipocampo, estrutura do cérebro envolvida na formação de lembranças de longo prazo, teve um aumento de volume de 2%. Na outra turma, essa região do cérebro sofreu uma redução de 1,4/%, a média esperada.Os testes de memória revelaram melhora nos dois grupos, mas o dos exercícios aeróbicos foi ainda mais beneficiado.

A conclusão é de que, diante da tendência natural do cérebro de sofrer uma redução de tamanho nos idosos, um aumento de 2% é considerado excelente.
De minha parte estou comemorando essa pesquisa já que, desde os meus cinco anos, caminho muito.



sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Evento do Sulpetro

 
Estive no jantar de confraternização  da diretoria do  Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes do Rio Grande do Sul. Este é um importante evento  do calendário  gaúcho.
O jantar  foi na churrascaria Montana Grill e reuniu muitas lideranças políticas, empresariais, militares, imprensa e amigos. 
Vejam as fotos.

Secretário de Justiça e Direitos Humanos do RS, Fabiano Pereira, eu, Presidente do Sulpetro, Adão Oliveira, Secretário do Meio Ambiente de POA, Luiz Fernando Záchia, deputado estadual, Raul Carrion,  Presidente do PP/RS, Celso Bernardi, Secretário do Planejamento de POA, Márcio Bins Ely
Eu, Adão e  Celso
Com o Záchia

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Café e boa conversa


Hoje, em meio aos outros compromissos do dia, saí para tomar um café com meu pai. Sempre que dá a gente faz isso. É uma maneira que temos para colocar os assuntos em dia e, também, porque curtimos muito uma boa cafeteria. Conversamos tantas coisas que me perdi no tempo. Nem sei dizer quem falou mais, se fui eu ou ele. Meu pai, muito animado, logo me contou que tinha ido no almoço de confraternização dos Ex-Chefes de Polícia do Rio Grande do Sul. Bah, eu queria ser uma joaninha - esse é um bichinho que gosto muito - para ter presenciado esse encontro com a família policial que ele adora e onde a recíproca é na mesma intensidade, pois os agentes de segurança são seus declarados admiradores. Posso calcular o quanto lhe fez bem esse encontro com o pessoal da Policia Civil. Que bom!
Fui levá-lo em casa e fiquei um pouco mais, pois os assuntos eram muitos, lá pelas tantas da conversa, de súbito, meu pai levantou da poltrona e se dirigiu até o escritório dizendo que tinha guardado uma importante matéria para me mostrar. Voltou com um sorriso estampado no rosto, parou na minha frente exibindo a capa do jornal O Sul, apontando para onde havia uma foto de três mulheres militares com a seguinte chamada: "Mulheres Rompem Barreiras e Podem Agora Ser Generais”. Eu, que já tinha lido o jornal cedo da manhã, fui logo dizendo que tinha achado muito legal e ele me saiu com essa: "Eu tenho certeza de que você,  comprometida do jeito que é em todas as suas ações pessoais e profissionais, tendo como marca indelével na sua formação a lealdade, se fosse uma militar, chegaria ao posto de  general”. 
Ah! Claro que achei graça daquela análise do meu pai, ao mesmo tempo em que senti um imenso orgulho, porque sei da importância do Exército Brasileiro na sua vida. Então, mexi com ele dizendo que senti na fala dele uma pontinha de arrependimento por ter ido para a reserva, quando coronel. Mas também vejo que mesmo com a trajetória da carreira militar já cumprida, ele ainda se sente em plena atividade, pois dos valores, da conduta e da essência verde-olivas ele nunca se afastará.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Economia brasileira teve crescimento zero

As restrições à expansão doméstica e as expectativas negativas sobre a crise na Europa se disseminaram por toda a economia a ponto de paralisá-la no terceiro trimestre - o Produto Interno Bruto não cresceu nada em relação ao trimestre anterior.
Só a agropecuária se expandiu.
Pela primeira vez desde o auge do impacto da crise financeira mundial, na virada de 2008 para 2009, houve retração em todos os componentes do consumo interno: famílias, governo e investimento.
O consumo das famílias  recuou 0,1%, os investimentos, 0,2% e os gastos do governo, 0,7%. A combinação desses números desfavoráveis torna bem mais difícil chegar a um crescimento de 3,5% em 2012 e improvável a possibilidade de uma expansão superior a 4%, como desejado pelo governo.
A presidente Dilma Rousseff não ficou surpresa com o resultado apresentado pelo IBGE de estagnação da economia no terceiro trimestre em comparação com o segundo trimestre deste ano.Ela acha que o resultado não é bom, mas acredita que as medidas tomadas pelo governo na semana passada apresentarão efeito a médio prazo, com o crescimento das vendas e diminuição dos estoques.
Não  é de hoje que eu venho dizendo que sentia uma expressiva queda de consumo nas famílias.Os brasileiros estão endividados, o custo de vida está altíssimo.O gás, a luz, a comida, os impostos, bem como toda a gama de produtos necessários à sobrevivência.
O governo está iludido com o consumo das classes "C"  e  "D", uma vez que seus salários prermitem acesso ao mercado de consumo. Esqueceu porém da classe média, que no final das contas emprega as classes menos previlegiadas.
Vamos ver no que dá.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Fim-de-semana em família - Parte II


No domingo eu fiquei boa parte do dia em casa, na piscina, com a Martina e a Marcela.
No meio da tarde, levei as meninas para conhecerem a decoração de natal do shopping Iguatemi. Elas adoraram! Foi muito engraçado que as duas foram super animadas até a entrada do ambiente onde ficam todos os tipos de bonecos, bichos, enfeites, árvores, neve, jardins, pacotes de presentes, mas quando elas avistaram o Papai Noel, empacaram sem dar mais nenhum passo e, a metros de distância do bom velhinho, observaram as outras crianças que entregavam seus bicos, cartinhas e tiravam fotografias.
Aproveitamos para fazer um bom lanche e depois cada uma foi para sua casa.
Sair com as meninas é um programa maravilhoso que me faz um bem enorme.
Gosto de proporcionar esse convívio entre as primas que tem apenas um ano de diferença. A Martina tem 2 anos e três meses e a Marcela tem 1 ano e dois meses, mas já dá para sentir o carinho que uma tem pela outra.
Peguei para mim a missão de torná-las grandes amigas.
Vejam as fotos como exteriorizam o que falo.  

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Fim-de-semana em família - Parte I



Meu fim de semana foi muito movimentado.
Como eu disse no outro post, sábado meus pais receberam para almoço uma prima querida que atualmente está morando em Brasília. E eu estava lá do início ao fim do encontro de família! Primeiro, porque foi uma das exigências da Deta quando telefonou avisando da sua vinda. Ela disse ao meu pai que queria muito me ver. Segundo, porque eu gosto demais dos meus parentes do Rio de Janeiro. Foram horas a recordar o passado, os tempos em que meu pai era militar da ativa e moramos no Rio, Niterói e Rezende.
Depois, bem a tardinha, eu levei a Martina no aniversário da Duda, sua grande amiga.
A Juliana estava às voltas com uma happy hour das amigas, afinal em fim de ano isso é bem comum entre os jovens, então, eu, que já passei dessa fase, acompanhei a pequena na festa e olha que me diverti bastante, pois entrei nas brincadeiras de bambolê, de esconder, de roda, de dança, de bola de sabão e na cesta.

Martina e eu assistindo o jogo de futebol dos meninos

Brincando de roda

Desenhando
Fazendo bambolê
Cantando parabéns  para a Duda...
que foi muito festejada pela Martina.

Martina pronta para jogar a bola na cesta.

Um abraço amoroso do pai que foi ver a filha no aniversário...

 e  entrou nas brincadeiras.  
Ela   adorou!


 

domingo, 4 de dezembro de 2011

Estilo de vida

Receber  com estilo não requer muito tempo nem grandes esforços.
Seguindo o conceito da família Leal, com simplicidade é possível preparar uma recepção  charmosa e divertida. Foi assim que neste sábado, recebemos a  prima do meu pai que vive em Brasília.              



Pedro Américo, Deta e Carmem

Pelas ruas de Porto Alegre


Na casa dos meus pais