sábado, 20 de junho de 2020

Saúde e economia sob decreto

E a falta de esclarecimento e os equívocos continuam. Um Decreto novo da prefeitura de Porto Alegre está para ser publicado a qualquer momento, mas o Executivo já antecipou, entre outros pontos, que irá fechar o comércio a partir de 2a feira, mantendo abertos apenas os estabelecimentos e serviços expressamente autorizados. Nessas regras, ficam impedidos de abrir cerca de 29 mil CNPJs cadastrados na categoria de microempresas para atividade de comércio, além de aproximadamente 4.700 empresas de pequeno porte, e 60 mil trabalhadores formais não poderão trabalhar.
Agora faço perguntas que vejo que muitos porto-alegrenses também querem fazer: se o fechamento do comércio salva vidas, porque reabriram? 
Porque escondem os locais de maior contaminação, COLOCANDO EM RISCO a população?
Porque deixaram respiradores saírem de Porto Alegre? Os que foram do Hospital Beneficência Portuguesa para o Hospital Universitário de Canoas poderiam ter sido usados em leitos no próprio Hospital Beneficência Portuguesa. Porque Porto Alegre NÃO INVESTIU em leitos para atender melhor os doentes de Covid? 
E o transporte público? O prefeito tem que focar nesse problema. É nos ônibus que estão as maiores aglomerações, não no comércio, com as pessoas amontoadas pela retirada de linhas e horários espaçados contribuindo para a contaminação do coronavírus. Porque não aumentam a frequência e o número de veículos para atender os trabalhadores com seguranca? Por que não utilizam os veículos escolares que estão parados para ajudar?
É, teremos mais um duro período para o povo e para a economia da Capital dos Gaúchos. Penso que não se resolve uma crise criando outras. O que não podemos é assistir ao desmonte da economia como estamos vendo.






Nenhum comentário:

Postar um comentário